Metas para 2019

Eu andar sumida daqui é uma verdade, mas garanto que por motivos muito justificáveis e também para uma organização para o próximo ano que vai se iniciar. E como o clima é esse de finalizações, balanços e começos, venho aqui apenas propor algumas reflexões sobre nossas relações com os livros. É bem comum muita gente … Mais Metas para 2019

Três trechos: O amor nos tempos do cólera

Aconteceu que eu já tava com essa vontade guardada. A cada leitura que termino, releio todos os trechos grifados por mim para elaborar as minhas interpretações e as minhas resenhas, mas tem livros que eu gosto tanto, tanto, que dá muita vontade de comentar incansavelmente, ou só mostrar trechos favoritos ou que me fizeram pensar … Mais Três trechos: O amor nos tempos do cólera

Da estante: O amor nos tempos do cólera / 2

Não tardou e já voltei aqui com a última parte da resenha desse romance inesquecível de Gabriel García Márquez. Se alguém aí iniciou a leitura durante esses dias, minha dica é que saboreie cada palavra, cada frase, que não tente ler apressadamente porque ela é bastante prazerosa e, na verdade, dá muita vontade de que … Mais Da estante: O amor nos tempos do cólera / 2

Da estante: O amor nos tempos do cólera / 1

“Era inevitável: o cheiro das amêndoas amargas lhe lembrava sempre o destino dos amores contrariados.” p.9 Foi essa primeira frase do romance “O amor nos tempos do cólera”, de Gabriel García Márquez, que me arrebatou imediatamente e me fez submergir nessa leitura. Um início tão nostálgico e doído, de beleza e amargura para nos ambientar … Mais Da estante: O amor nos tempos do cólera / 1

Recebidos do Itaú social: “Quero colo” e “Pedro vira porco-espinho”

Como gosto bastante de literatura infantil e juvenil, desde 2014 eu peço os livros da campanha do Itaú: “Leia para uma criança #issomudaomundo”, que fazem parte de um projeto de incentivo à leitura. Nesse ano não foi diferente e tive sorte de fazer o meu pedido logo no início porque rapidamente os livros se esgotaram. … Mais Recebidos do Itaú social: “Quero colo” e “Pedro vira porco-espinho”